sexta-feira, 11 de junho de 2010

A Beleza do Catetinho

Um dos últimos lugares que fui visitar
em Brasília, 

foi justamente a primeira construção
daquela que seria a Nova Capital Federal.



O Catetinho, assim batizado em 
homenagem ao Palácio do Catete,
por ser a Sede da Presidência
 da República na Nova Capital, 





nasceu a partir de um esboço feito
por Niemeyer em um guardanapo
durante um almoço.
O Catetinho foi construido em apenas
10 dias (de 22 a 31/10/1956) por amigos
de JK (Oscar Niemeyer,João Milton Prates,
José Ferreira de C. Chaves,Roberto Pena,
César Prates, Dilermando Reis, Vivalde Lyrio,
 Osório Reis e Agostinho Montanddon)
juntamente com dedicados operários.



(foto do Arquivo Nacional, via 
Última Parada)






No dia 1 de Novembro de 1956,
os engenheiros e operários que trabalhavam
na construção da residência presidencial provisória
se reúnem em um churrasco.
No dia 10 de Novembro de 1956,
JK chega de avião para inspecionar
o andamento das obras da cidade
e vai direto para o Catetinho.





"A recepção foi festiva. Do aeroporto provisório,
segui diretamente para o Catetinho,
onde um grande número de pioneiros me aguardavam.
Um temporal desabou nesse momento,
fazendo com que a festa,
que teria lugar ao ar livre,
fosse realizada no interior do Palácio de Tábuas. 




Serviu-se um almoço com
mesinhas espalhadas pela casa inteira,
inclusive na varanda. 





Em seguida realizei ali o meu
primeiro despacho.
À noite, depois do jantar,
teve lugar uma seresta com os pioneiros
- a palavra candango ainda não havia
sido criada - entoando o "Peixe-Vivo"
e o "Canto da Nova Capital "
(música de Dilermando Reis e letra de 
Bastos Tigre) "

Nas palavras de JK.







E assim, Brasília ainda não existia,
mas a Residência Oficial do Presidente
da República já estava lá,

na Fazenda do Gama,
que encantou JK por sua
trilha que leva à um Olho d'água,




coisa surpreendente no meio do cerrado 
que cerca a Fazenda do Gama.




Desde seu  tombamento,
em 10 de Outubro de 1959,
antes mesmo da inauguração de Brasília,


o Catetinho é um Museu aberto à visitação,
porém muito pouco conhecido pelos
moradores da cidade.


Seja pela distância (25 km) que separa o Museu
do Plano Piloto, ou pela falta de transporte
público, ou , o que é pior,
pela falta de interesse dos jovens Brasilienses.







Pergunto ao vigia porque sou a única ali
e quem são afinal, os visitantes,
e ele responde que a maioria das pessoas
que visita o Catetinho é de turistas
e estudantes em excursões escolares,
o que pude confirmar no livro de assinaturas.



 "Os brasilienses quase não vêm aqui. "
Afirma o segurança, enquanto exerce também
a função de fotógrafo desta blogueira...




Fico triste com esta informação e 
tenho vontade de gritar:
" Brasileiros, do alto desta escada,
50 anos de história vos contemplam! "


Foi apenas uma surtadinha interna básica
não exteriorizada, fiquem tranquilos...


Mas que é uma pena as pessoas daqui
não conhecerem este, que é o primeiro
museu da cidade, isto é mesmo!


Aqui estão preservados os móveis e objetos
do quarto do Presidente JK








A sala de despachos,






com seus móveis e objetos 
dos anos 50, originais,











e também os 






O quarto e objetos de Ernesto Silva
um dos mais profundos conhecedores
dos planos da construção de Brasília.









O violão de Dilermando Reis,






e as louças e metais dos banheiros.







O Catetinho representa o idealismo,
a fé, a esperança, o amor ao trabalho,





a bravura, o desprendimento e o patriotismo
de milhares de brasileiros que,
sob o comando seguro do Presidente
Juscelino Kubitschek,
acorreram ao deserto do planalto central
para construir esta cidade,





que antes de ser cidade foi sonho.

Sonho de Dom Bosco, sonhado mais de
um século antes que a cruz inaugural fosse
traçada na terra vermelha do cerrado
goiano e começasse a epopéia.

Foi sonho sonhado desde os tempos
do império, pelos inconfidentes e depois
por José Bonifácio, o patriarca
da Independência.

E foi assim, de sonho em sonho que a
cidade foi sendo embalada,até ser
sonhada por um certo Nonô,
que dividiu o sonho com dois
outros sonhadores: Lúcio Costa e 
Oscar Niemeyer.

O sonho foi brotando das pranchetas,
e mais e mais gente foi sonhando,
e levas e levas de outros sonhadores
foi chegando de várias partes do Brasil. 

E pouco a pouco,
mas em ritmo acelerado, 
o sonho foi virando rua, gramado, 
paredes e colunas. 

E assim, desde aquele sonho distante
de Dom Bosco, Brasília é uma
cidade que vem sendo sonhada.

E o mais novo e fervoroso sonho de todos nós,
brasileiros orgulhosos dos nossos heróis 
e do nosso país, 
é de que o Congresso Nacional,
sonho dos que sonharam com a 
independência do Brasil,
sonho dos que sonharam com o 
fim da opressão e com uma
nova era de democracia e liberdade,
seja a casa de homens melhores.
Homens que realmente sonhem
com um Brasil melhor, mais
educado, mais desenvolvido,
sem fome, sem desigualdade e sem corrupção.

Homens e políticos de verdade,
como foi JK.

Créditos textos:
Ana Balbinot

Fotos:
Ana Balbinot

9 comentários:

Luiz Borges disse...

Como Peregrino da História devo dizer, Elsa, que esta postagem é uma viagem ao passado, na classe VIP da máquina do tempo.
Um beijo do teu Filósofo-literalmente-de-Pijama.

Ivo e Fátima disse...

Aninha

Embora você saiba que sou um anti-brasília convicto, concordo com você que a memória nacional semrpe deve ser preservada e conhecida.

Beijos (no Gafa, abraços)

Ivo

Solange Honorato disse...

Hoje tive uma aula de história. Obrigada Aninha!Beijos

Karla Karoline disse...

Aí que saudades....

pensandoemfamilia disse...

Vim conhecer seu espaço e adorei esta viagem pela história que nos proporciona com este post.
Objetos cheios de memórias. Realmente, é lamentável que poucos o visitem. Fui à Brasilia, não a passeio, mas a trabalho. Dei uma corridinha para conhecer alguns lugares e não soube deste.
bjs,

toni disse...

Detalhes,o chapeu com despertador na cabeceira, nas asas da Panair...

Saudades Ana e até breve .

Ana Balbinot disse...

Luiz,
Realmente foi assim que eu me senti mesmo, fazendo uma viagem no tempo! Obrigada pelo comentário e carinho de sempre!
Beijão

Ivinho,
Eu ainda espero que você consiga deixar de ser um anti Brasília convicto, e passe a ser apenas um anti-politicos convicto. Brasília não tem culpa dos políticos que tem!Na verdade, os únicos culpados somos nós mesmos, que votamos neles...
Beijão nos dois

Solange,
Fico super lisonjeada! Obrigada você, por sua visita e comentário!
Beijos

Karlinha,
Saudades GIGANTES de vocês também!
Beijos

Seja bem vindo Pensando em Família!
E volte sempre! Muito obrigada pelo comentário!Assim que eu puder, vou visitar o seu blog.
Boa semana!

Toni,
Bom ver você por aqui!
Dê uma olhadinha na Beleza das Buganvíleas, em que eu usei as fotos que fiz naquele dia do nosso encontro por acaso!
Beijos

Anônimo disse...

Ana. Adorei teu blog. Vilma havia me falado. É Marisa aqui da terra gaúcha.

FOTÓGRAFO RONALD disse...

Olá, procurava por informações do Catetinho para fazer uma visita com minha esposa, e por sorte, encontrei o seu lindo blog, o que me motivou ainda mais a visitar o Catetinho, já que, como trabalho como fotógrafo, quero eternizar este lugar com lindas imagens, tanto quanto as suas. Tenho um acervo muito grande de imagens, se precisar, fotograforonald@gmail.com.
Sucesso prá você, e mais uma vez obrigado por tão lindas imagens.Abraços, Ronald