domingo, 23 de agosto de 2009

A Beleza do Descobrimento - Congéia

Enquanto a tormenta no Senado não passa,
dificultando a preparação da prometida postagem
A Beleza do Congresso Nacional,
passeando com amigos queridos
pela Península dos Ministérios,
descobrimos uma planta maravilhosa:

Congea Tomentosa


Nome popular:
Congéia ou Côngea

Família:Verbenaceae

Divisão: Angiospermae

Origem: Índia, Malásia, Burma, Tailândia
Ciclo de vida: perene

É uma trepadeira de ramagem lenhosa, ramificada,
conhecida no mundo todo devido a seu florescimento decorativo
A congéia é uma trepadeira muito vigorosa e exuberante,
com textura delicada.
Apesar de tropical, ela se encaixa em diferentes estilos de jardins
e pode cobrir cercas, grades, caramanchões, pérgolas,
pórticos e coroar muros.


Também pode ser conduzida como arbusto e cerca-viva.
As podas, realizadas após o florescimento,
auxiliam na formação e contenção da planta
e estimulam seu adensamento.
Os ramos floridos da congéia podem ainda ser utilizados
como flor-de-corte em buquês e arranjos florais.

Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil,
enriquecido com matéria orgânica e irrigado periodicamente.
Trepadeira tipicamente tropical, aprecia o calor
e não tolera geadas ou nevascas.
Em países de clima temperado deve ser protegida no inverno em estufas. Multiplica- se por estaquia ou alporquia, após o florescimento,
ou por sementes.

Suas folhas são elíptico-ovaladas, opostas, tomentosas (pilosas),
perenes, de cor verde clara e com nervuras bem marcadas.
No fim do inverno e início da primavera a congéia floresce,
exibindo numerosas flores brancas, pequenas e discretas,
mas cada uma circundada por três brácteas em forma de hélice,
muito vistosas e duráveis, que mudam de cor gradativamente,
do rosa para o roxo e posteriormente para o cinza,
ao longo de várias semanas.
A floração é tão densa e abundante que mal se pode ver a folhagem.

Dicas e analogias:

Quando plantadas em ramas,
respeitar 1m de distância mínima entre as ramas
O solo deve ser fértil
O sol deve ser pleno
A irrigação deve ser constante
Deve receber poda radical após a floração.

7 comentários:

Luiz Borges disse...

As flores sempre foram e sempre serão a tua identidade, Elsa.
Um beijo do teu Filósofo.

Ivo e Fátima disse...

Aninha

Nossa mãe!!!

Aula de biologia no blog da beleza.

Beijos (no Gafa, abraços)

Ivo

Ana Balbinot disse...

Viu só, Ivinho?
E toda esta beleza é em Brasília....
Beijos nos dois, ops esqueci onde estão, nos quatro!

Anônimo disse...

Querida Amiga,
Bom retorno!
Nossos passeios foram fantásticos. A surpresa e beleza da Côngea evidentemente merecia um registro sensível como o seu.
P.S.: Só prá provocar outra excelente aula de biologia, aguardo ansiosamente a Beleza da Flor de Jade. Bjs. Ana H.

Ana Balbinot disse...

Filósofo,
Obrigada pelo carinhoso comentário, eles alimentam a minha alma!

Ivo,
Viu só que blog útil? Afinal, nem só de beleza é feito um blog legal!
Beijos para os 4

Ana H.
O nosso passeio estava sensacional! Precisamos fazer isto mais vezes, e na próxima oportunidade, teremos um compromisso inadiável com RC!
Já estou preparando a postagem da flor de jade!
Beijos

Anônimo disse...

Aninha,
precisamos combinar melhor nossas viagens!Não gostaria de só estar com vc e RC no show comemorativo de50 anos de envelhecimento!!!AH!AH!AH!
P.S.: AH sou eu!!!! Bj.

disa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.