quinta-feira, 9 de setembro de 2010

A Beleza de Local River

Você já ouviu falar em LOCÁVOROS?

São pessoas que só comem alimentos produzidos
em um raio de 160 km de sua residência.
A idéia surgiu em 2005, em São Francisco, EUA
e tem como objetivo a preservação
do meio ambiente, com a diminuição
do transporte e incentivo às produções locais.

Inspirados nesse grupo,
Mathieu Lehanneur e Anthony van den Bossche,
criaram o LOCAL RIVER, uma
"unidade residencial de armazenamento
de peixes e verdes. "

O Local River antecipa a crescente influência
dos Locávoros ( a palavra Locavore fez sua primeira
 aparição em um dicionário americano em 2007)
 e tem como proposta a possibilidade
de se criar peixes e produzir a própria salada,
que filtra a água dos peixes, em casa.

O Local River baseia-se no princípio
da hidroponia, aliado ao intercâmbio e
interdependência de 2 organismos vivos:
plantas e peixes.


As plantas extraem os nutrientes dos
dejetos, ricos em nitrato, dos peixes,
agindo como um filtro natural
que purifica a água e mantém
o equilíbrio do habitat dos peixes.

A mesma técnica é utilizada em
larga escala nas fazendas de peixe
e hidroponia, que criam tilápias e
alfaces plantadas em recipientes flutuantes.

Mais uma vez, é o design fazendo a diferença!


Créditos:

9 comentários:

Li disse...

muito interesante... da para começar a pensar. Minha cabeça ja começa a ficar cheia de es... e.... e....
Bj grande e parabens pela criatividade dos topicos abordados.
Li

Manuela disse...

Local River...que interessante, criativo e avant-garde! Tenho de confessar que adorei a idéia.
Ana, meu abraço

Ivo e Fátima disse...

Aninha?

Locávaro eu? Mas nem que a vaca tussa vou deixar de comer uma pasta italiana, um camenbert francês, um uisquinho escocês (envelhecido em barris de carvalho - nooossa, uma árvore... Será que esses carinhas não vão invertar lindos barris de plástico para envelhecer uisques e vinhos?). Tá certo que contribuo um pouco, pois não sou muito lá de salmão chileno, mas um linguadinho "catarina" eu não dispenso. Um pãozinho feito de trigo argentino molhado no azeite espanhol ou grego também vai bem!!!

Isso tudo para não cair no popular, pois se o fizesse, diria que não abdicaria do americaníssimo catchup Heinz para complementar as vinas tão curitibanas, mas provavelmente vindas da Sadia lá em Caçador.

Que tal agora mudar a linha de pensamento? Quantas pessoas será que um tanquinbho desses consegue alimentar? Talvez consiga produzri a dose diária de calorias suficiente para um bebê de 1 ano. Qual será o tamanho para alimentar convenientemente uma família de 4 pessoas? Nossa - não quero nem pensar. E se, digamos, um bilhão de pessoas resolvesse comprar o negócio? Será que todos teriam uma fábrica de plástico a 100 milhas de casa? Ótima ideia hem? Uma refinaria de petróleo para cada raio de 100 milhas. Ops - refinaria, mas e o petróleo? Nossa, veja só, ainda vai ter que vir do oriente médio, da venezuela, do Golfo do México - ah, solucionado - vem do pré-sal. Mas péraí - o pré-sal está a mais de 3 km de profundidade e a mais de 100 milhas da costa. Puxa vida, o problema continua. Vá lá, digamos que não só o tanquinho dos peixes seja de vidro, mas a "cúpula" também. Aí não estaremos (nós aqui em Curitiba) tão mal, pois logo ali em Barra Velha (que pena, dá mais de 100 milhas...) tem uma fábrica enorme de vidro. Só que, para fazer vidro, precisa minerar areia. E para minerar areia, precisa de... tratores que consomem óleo diesel e são feitos com aço de Carajás.

Acho bom para por aqui. Tá loco, meu, vou ser execrado nesse blog - como pode alguém ser tão anti-ambientalista? Que me resta fazer, vou me conformar se eventualmente daqui for expulso.

Bom, para finalizar no melhor dos modos... Beijos (no Gafa, abraços)

Ivo

Ivo e Fátima disse...

Aninha

Esqueci de um negócio - já pensaram no estresse das coitadas das tilápias que vão crescer num "local river" daquele tamanhinho?

Beijos (no Gafa, abraços)

Ivo

Ana Balbinot disse...

Li,
Já até posso ver essa cabecinha funcinando, hehehe! Obrigada pelo comentário carinhoso!
Beijos

Manuela,
Que bom ver você por aqui! A idéia é bem bacana, não é? Mais como um desfile de alta costura, digamos assim, do que propriamente para ser usada em larga escala, mas mostra uma tendência.
Beijos e volte sempre!

Ifinhaaaaa!!
Você tá ligado em 220V? Que viagem!!! Mas as suas observações são pertinentes, com certeza, e altamente informativas! Jamais serás expulso deste blog, imagine! Encare o Local River, como eu disse para a Manuela no comentário acima, como um desfile de alta costura, daqueles que a gente olha as roupas e não consegue imaginar alguém usando-as de verdade. São apontadores de tendências.Quanto aos Locávoros, bem, aí a questão é mais complicada, acho que para entendermos melhor o movimento, precisaríamos ter nascido na Califórnia... Ah, e de todas as coisas gostosas de comer e beber que vc citou, só posso dizer uma coisa: Que bom gosto, heim? hahaha! Eu também adoro tudo isso e mais um pouco, pois gosto do salmão chileno também, e do bacalhau norueguês, e da carne argentina, e da tapioca nordestina, e dos caranguejos gigantes americanos,e da Mjadra e do kibe da Fátima, que graças a Deus, mora bem pertinho, e por aí vai!
Beijão nos 2

Ivo e Fátima disse...

Aninha

Falastes em tapioca nordestina! Pois em breve (após o nosso retorno) serás convidada a uma tapioca curitibana, totalmente feita em casa (inclusive a goma, feita pelo carinha aqui a partir de povilho doce). Capaz do polvilho ser proveniente de mandiocas plantadas a menos de 100 milhas daqui... Os recheinhos provavelmente virão de mais longe, mas nem tanto.

Beijos (no Gafa, abraços)

Ivo

wagner disse...

Que viagem! Ideia boa, não para ser regra, talvez alternativa.

Anônimo disse...

Balbi....que ECA essa ideia...bjo
Flower

Ana Balbinot disse...

Flower,
kkkkkkkkkkkkkkk! Mas o Marco ia se divertir com os peixinhos...
Beijão